CLUBES
Voltar
River Plate do Uruguai
(Darseneros)
Fundação: 11/05/1932

Ao contrário do que muitos pensam, o River Plate do Uruguai não tem esse nome por conta do xará argentino. Seu nome homenageia outro time: o River Plate Football Club. Fundado em 1897 por estivadores e trabalhadores do porto de Montevidéu, o time foi a grande sensação do futebol amador até o ano de 1925, quando foi extinto. Enquanto esteve em atividade, o time levantou quatro canecos nos torneios amadores que disputou.

Passados alguns anos de sua extinção, e com a profissionalização do futebol no Uruguai, dois times resolveram se fundir para superar as dificuldades da transição do futebol amador para o profissional: o Olimpia Football Club e o Club Atlético Capurro. O nome escolhido para batizar a fusão seria Clube Atlético River Plate, em homenagem ao antigo esquadrão amador. O dia exato do nascimento do “novo” River foi 11 de maio de 1932.

O clube demorou muito para se estabilizar e integrar a elite do futebol uruguaio ― fato que aconteceu somente na década de 1990. O time iniciou nas competições internacionais disputando a antiga Copa Conmebol nos anos de 1996 e 1998, mas sempre com aparições tímidas. Foi ganhar destaque na segunda metade da década de 2000, quando contratou o técnico Juan Ramon Carrasco, grande figura do futebol uruguaio.

A equipe foi o grande destaque do Torneio Clausura de 2008, disputando o título até as últimas rodadas. Mas acabou sendo derrotada pelo Peñarol. Mesmo assim, o River colocou seu nome no mapa, além do nome de seu artilheiro naquela ocasião, Richard Porta, autor de 19 gols em 15 jogos.

Com o resultado, o time acabou disputando a Copa Sul-Americana de 2009, da qual terminou como semifinalista. Desde 2002, com o Nacional, nenhum outro time uruguaio havia chegado tão longe na competição. Continuou na batalha para alcançar outra competições internacionais e também fazer seu nome no cenário doméstico, mas bateu na trave várias vezes.

Em 2015, fez um ótimo campeonato uruguaio, terminando na terceira colocação, o que lhe valeu o ingresso na primeira fase da Taça Libertadores da América de 2016. Seu adversário seria a Universidad de Chile e todos já davam como certa a classificação do time chileno. Mas dentro de campo, que é onde vale, a história foi outra. No Uruguai, os Darseneros aproveitaram o fator campo e bateram o Universidad de Chile por 2 a 0. No jogo de volta, o placar de 0 a 0 garantiu a participação do River na competição.

palco
De Soul Train - Trabalho própio, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=34218471

Como o River Plate nasceu da fusão de dois times que já existiam, herdou de ambos a infraestrutura que os clubes tinham na época da união. O estádio Parque Olimpia foi uma das heranças. Pertencente ao clube Olimpia, o palco mudaria de nome pouco tempo depois de se tornar a casa do River Plate.

O novo nome seria o de Federico Omar Saroldi, primeiro goleiro da equipe. Chamado pela imprensa uruguaia da época de “El Pared”, Saroldi era adorado pelos torcedores do clube. Em julho de 1932, em um jogo contra o Central F.C., o goleiro recebeu uma pancada violenta na cabeça em uma disputa de bola e, dias depois, morreu.

A imensa comoção pela perda de Saroldi levou os dirigentes do clube a rebatizarem o estádio com o nome do goleiro. Hoje, o estádio Federico Omar Saroldi possui capacidade para seis mil pessoas. Bastante aconchegante, a casa do River Plate recebe bem as torcidas adversárias e tem o clima sempre excelente.





© 2018 PLAY ENTRETENIMENTO FUTEBOL CLUBE - Todos os direitos reservados.